Catalunha: Repressão feroz dos Comitês de Defesa da República acusados de ... «terrorismo»!

13 de Abril por Yorgos Mitralias


Os epígonos de Franco em Madrid não escondem mais suas intenções: fazer absolutamente tudo para esmagar o povo catalão que persiste em resistir. E, decididos como estão a bater forte, para além de atacar as personalidades da independência catalã – tanto no exílio como na prisão – atacam também as massas «anónimas» de ativistas, o povo da Catalunha, os intrépidos Comitês de Defesa da República que não se rendem!

A acusação contra esses ativistas do CDR já detidos, aprisionados ou procurados é eloquente: Rebelião e ... terrorismo! «Terroristas», portanto, os CDR que tornaram a não-violência a regra de ouro de sua conduta e também «terrorista» a resistência pacífica a provocações e outros ataques repetidos pelos pretorianos da Guardia Civil. «Terrorismo» são as manifestações separatistas; «terrorismo» e «rebelião» para classificar formas totalmente pacíficas de luta, como bloqueios de estradas ou cadeias humanas, em frente e ao redor de prédios públicos. E, claro, «terrorismo» é a organização das greves gerais que os CDRs já prepararam e dirigiram, ou a que hoje apelam a favor dos desejos autonomistas. Não sabemos se devemos rir da histeria repressiva do Sr. Rajoy ou chorar do pesadelo que seu atual extremismo antidemocrático promete …

Mas, porquê essa raiva repressiva de Madrid contra os CDR? A resposta não é difícil de descobrir: porque os Comitês de Defesa da República se tornaram, no espaço de poucos meses, o protagonista da luta pela independência, mas também pela liberdade e democracia do povo catalão! E também porque os CDRs se desenvolvem como nenhuma outra força social ou política. E especialmente porque o seu desenvolvimento deslumbrante reflete esta evolução da situação que assusta mais centros de poder, tanto em Madrid como em ... Barcelona: a transcendência de uma luta inicialmente estritamente independente em uma luta por uma República catalã em conteúdo democrático e social radical e de classe.

Além disso, ninguém no bunker de espanholista de Madrid esconde o medo da viragem dos acontecimentos na Catalunha e, mais precisamente, do contínuo fortalecimento e crescente influência desses CDRs, que já gozam de grande prestígio na região e na sociedade catalã. Os meios de comunicação em Madrid, o diário El Pais à cabeça, estão constantemente importunando contra esses «núcleos da revolução em preparação» batizados pela circunstância ... «sovietes catalães», enquanto o pessoal político da frente «Unionista» reclama que os CDRs sejam «postos na ordem» antes que seja tarde demais. E por mais bizarro que pareça, é o número 3 da social-democracia espanhola que primeiro exigiu a repressão e a proibição dos CDRs com o argumento imbatível de que «não é coincidência: as suas iniciais são as mesmas dos notórios CDRs de Cuba, Nicarágua e Venezuela»! …

Desde então, são os partidos da oposição (de Sua Majestade), o social-democrata PSOE e os Cidadanos neoliberais que convocam, dia após dia, a repressão do CDR e o governo do Partido Popular, que entra em ação. E, infelizmente, até mesmo a prefeita de Barcelona Ada Colau, agora isolada e em queda livre nas sondagens, denuncia as ações da CDR «que não facilitam o funcionamento normal das empresas» em vez de criticar a sua assimilação aos terroristas porque «isso é uma banalização que ofende as vítimas» …

No entanto, todas essas pessoas estão a lamentar um problema inerente à repressão dos CDRs: praticamente, as CDRs ... não podem ser encontradas, pois não têm locais, nem direções, nem líderes conhecidos, nem porta-vozes. E se tudo isso não bastasse, os CDR respeitam todos os partidos independentistas e progressistas, sem se reverem em nenhum deles, embora o Ministério Público de Madrid não hesite em acusar um militante famoso e ex-deputado da CUP [Candidatura de Unidade Popular] independentista e libertária, o muito popular David Fernandez, de ser o «cérebro». Além disso, como foi escrito em um artigo anterior, «os CDRs não são uma invenção nem um fantoche de um partido ou de uma organização. Eles são os produtos diretos da radicalização da sociedade catalã». [1]

A nossa conclusão só poderia ser alarmista: a situação é crítica, porque a nova Inquisição dos epígonos de Franco, que reina em Madrid, está decidida a ir até o fim com seus projetos antidemocráticos, repressivos e autoritários. E os Comitês de Defesa da República da Catalunha constituem claramente a meta prioritária e ideal. É por isso que a solidariedade ativa com o povo catalão, a sua luta e a sua vanguarda, os CDR, não é apenas uma obrigação moral, é um dever internacionalista. É também, e talvez acima de tudo, um ato de auto-defesa de todos nós que vivemos fora do estado espanhol, porque é claro que o sistema de Madrid agora está a transformar a Catalunha num laboratório de tamanho natural e o povo catalão em cobaias do pendor repressivo e antidemocrático de algumas «sensibilidades» neoliberais europeias mais autoritárias.

Então, cuidado! Se se deixar agora os carcereiros de Madrid prender governantes e dirigentes muito democraticamente eleitos da Catalunha perante a indiferença geral ou deixar equivaler as greves e manifestações públicas a «terrorismo», podemos ter certeza de que muito em breve vamos ver os nossos próprios governos aproveitar o precedente Catalão -hélas- e fazer o mesmo com a gente! Então, há as maiores das razões para apoiar os CDRs catalães, mostrando-lhes toda a nossa solidariedade ativa o mais rapidamente possível. Por toda a Europa, mas especialmente na França, onde agora estamos a testemunhar o surgimento de uma juventude bastante radical e sensível a apelos de solidariedade e luta comuns do outro lado dos Pirenéus. Vamos camaradas porque é urgente! ...


Tradução: António Pedro Dores



Yorgos Mitralias

O jornalista, Yorgos Mitralias é membro fundador do Comitê contra a Dívida Grega, organização afiliada do Comitê para a Anulação da Dívida dos Países do Terceiro Mundo (CADTM) e da Campanha grega para a auditoria da dívida.

CADTM

COMITE PARA A ABOLIÇAO DAS DIVIDAS ILEGITIMAS

35 rue Fabry
4000 - Liège- Belgique

00324 226 62 85
info@cadtm.org

cadtm.org