Entrevista com Daniel Tanuro sobre Crise Ecológica e Ecossocialismo

1 de Março por Daniel Tanuro , Alexandre Araújo Costa

CC - Flickr

Ele é certamente uma das vozes que bradam mais alto por um giro ecológico junto à esquerda. Juntamente com Michael Löwy e outros membros da Quarta Internacional, tem empreendido um importante e decisivo esforço teórico no campo do que convencionamos denominar de «Ecossocialismo».

Ele não hesita em dizer que a tarefa dos ecossocialistas é «intervir em nome da natureza no debate social» e é direto quando diz que «abolir o capitalismo é uma condição necessária para (...) uma relação não-predatória da humanidade com o resto da natureza, mas não suficiente.» É com grande prazer que trago para vocês a íntegra da entrevista, a seguir.

Alexandre Costa: Durante muitos anos, as organizações de esquerda não prestaram muita atenção às questões ambientais em geral, mas pelo menos desde o seu 15º Congresso, a Quarta Internacional parece estar cada vez mais preocupada com o que chamamos de «Crise Ecológica». O que mudou?

Daniel Tanuro: De fato, a maioria das organizações de esquerda perdeu o ponto nos anos sessenta, quando a chamada «crise ecológica» emergiu como uma nova questão de interesse social amplo (embora se possa colocar uma data simbólica neste emergente livro de Rachel Carson, “The Silent Spring”, publicado em 1962). Ao meu ver, a principal razão para isso é que essas organizações se concentraram principalmente nas guerras e revoluções anticoloniais nos países dominados (Cuba, Argélia, Vietnã ...), nos movimentos de massa contra a burocracia no Oriente (Polônia, Hungria) e na convergência de radicalização da juventude e dos trabalhadores no Ocidente.

Mas esta razão não é a única, na minha opinião. É preciso também considerar que as organizações de esquerda não poderiam facilmente lidar com a crise ecológica no campo da teoria. Por exemplo, muitos autores se sentiam incomodados com a denúncia da tecnologia capitalista e com a própria ideia de limites ao crescimento. Na verdade, o trabalho de Marx é muito rico nesses tópicos, mas foi como se suas contribuições (sobre os limites, sobre a ruptura pelo capital do metabolismo social humanidade-natureza, sobre as consequências na silvicultura, agricultura, gestão da terra, por exemplo) tivessem sido esquecidas por seus sucessores. Isso é até o caso de mentes marxistas revolucionárias, muito criativas e abertas, como o nosso companheiro Ernest Mandel.

Quero ser claro sobre isso: na minha opinião, falar da ecologia de Marx é um pouco exagerado, você tem que levar em conta as tensões e contradições no próprio trabalho de Marx e Engels. Mas a parte ecológica da herança de Marx é realmente impressionante, e sua crítica da economia política nos dá excelentes ferramentas para fazê-la florescer. Então, como devemos explicar o fato de que a maioria da esquerda marxista perdeu o trem da ecologia nos anos sessenta? O estalinismo é um culpado, é claro, mas o mínimo que se pode dizer é que esta explicação não é muito convincente no caso das correntes anti-estalinistas ... Acho que houve uma contaminação muito ampla da esquerda pelas concepções produtivistas e cientificistas. É algo que começou na socialdemocracia no final do século XIX e não foi realmente eliminado no movimento comunista - talvez porque a Rússia, onde a revolução teve lugar, era um país atrasado.

Penso que o que mudou é triplo: em primeiro lugar, a ameaça nuclear fomentou uma consciência crescente de que as tecnologias não são neutras; em segundo lugar, as lutas dos/as camponeses pobres e indígenas mostraram a dimensão social das questões ecológicas; em terceiro lugar, alguns autores começaram a revisitar Marx sobre a natureza e “exumar” seu legado. No entanto, a maioria da esquerda se contentou com uma pura abordagem propagandista, dizendo ao povo que nenhuma alternativa ecológica é possível dentro da estrutura do capitalismo, o que é verdade, mas não significa que não precisamos de demandas ecológicas concretas, reformas, articuladas com demandas sociais em um programa de transição.

Um passo importante na direção desse programa foi o manifesto ecossocialista escrito por Michaël Löwy e Joel Kovel em 2001. A iniciativa daquele manifesto foi fomentada pelo aprofundamento da crise ecológica e seu caráter global, com as mudanças climáticas como uma grande ameaça. Ao mesmo tempo, cada vez mais ativistas de nossas organizações estão envolvidos em movimentos sociais sobre o desafio ecológico, particularmente o movimento climático e o movimento pela soberania alimentar (que estão intimamente ligados, dada a importante contribuição do agronegócio ao aquecimento global). Assim, desde seu último congresso, a Quarta Internacional se define como uma organização ecossocialista.


AC: Em seu ponto de vista, quão preocupante é a mudança climática? É simplesmente uma questão de utilização de tecnologias adequadas, como substituir os combustíveis fósseis por renováveis? O clima da Terra pode ser “consertado” por uma combinação de captura de carbono e geoengenharia?

DT: As alterações climáticas são extremamente preocupantes. Na verdade, é provavelmente a ameaça social e ecológica mais perigosa que temos de enfrentar, com enormes consequências a curto, médio e longo prazo. Não vou dar muitos detalhes, mas é preciso saber que um aumento de temperatura de 3°C provavelmente irá provocar um aumento do nível do mar em cerca de 7 metros. Levaremos mil anos ou mais para chegar lá, mas será impossível parar o processo (a curto prazo, os especialistas acreditam que um aumento do nível do mar em 60-90cm poderia ocorrer até o final deste século). Significaria centenas de milhões de refugiados. Se você levar em conta os outros efeitos das mudanças climáticas (eventos meteorológicos extremos, diminuição da produtividade agrícola, etc.) a conclusão é assustadora: acima de um certo limite, não há uma possível adaptação às mudanças climáticas para uma humanidade de 8-9 Bilhões de pessoas. Onde você coloca o limiar não é (apenas) uma questão científica, mas (principalmente) política. Em Paris, os governos decidiram “manter o aquecimento bem abaixo de 2°C e tentar limitá-lo a 1,5°C”. Mas um aquecimento médio de 2°C já deve ser considerado uma catástrofe.

Evidentemente, a mudança climática não é a única ameaça: outras ameaças são a extinção maciça das espécies, a acidificação dos oceanos, a degradação dos solos, a possível morte da vida marinha devido à poluição por nitrogênio e fósforo, a perda da camada de ozônio, o uso excessivo de recursos hídricos e a emissão de aerossóis para a atmosfera. Mas a mudança climática desempenha um papel central e está ligada, direta ou indiretamente, à maioria das outras ameaças: é um fator importante de perda de biodiversidade, a acidificação do oceano se deve à crescente concentração atmosférica de CO2, as quantidades excessivas de nitrogênio e fósforo nos oceanos vêm do agronegócio, que desempenha um papel central no uso excessivo de água doce e perda de solo, e assim por diante. O fato de que a maioria dos problemas está interligada implica que seria errado isolar a resposta às mudanças climáticas da resposta aos outros desafios. Porém, todos esses desafios ecológicos têm a mesma origem fundamental: a acumulação capitalista, o crescimento quantitativo impulsionado pela corrida pelo lucro Lucro Resultado contabilístico líquido resultante da actividade duma sociedade. O lucro líquido representa o lucro após impostos. O lucro redistribuído é a parte do lucro que é distribuída pelos accionistas (dividendos). .

Isto significa que as alterações climáticas são muito mais do que uma questão tecnológica. Coloca a questão fundamental de uma alternativa global a este modo de produção. E objetivamente tal alternativa é extremamente urgente. Na verdade, é tão urgente que, mesmo do ponto de vista tecnológico, a estratégia do capitalismo verde é enviesada. Naturalmente, é perfeitamente possível utilizar apenas fontes renováveis para produzir toda a energia de que precisamos. Mas como você produz os painéis fotovoltaicos, aerogeradores e outros dispositivos? Com que energia? Logicamente, você tem que levar em conta que a própria transição exigirá energia extra, e que essa energia extra, sendo 80% de origem fóssil quando a transição começar, provocará emissões de CO2 adicionais. Assim, você precisa de um plano, a fim de compensar essas emissões extras por cortes extras em outros lugares. Além disso, as emissões globais podem continuar a aumentar mesmo que a proporção das energias renováveis na matriz cresça rapidamente, o que significa que poderemos ultrapassar o chamado «orçamento de carbono», isto é, a quantidade de carbono que se pode adicionar à atmosfera se quiser mantendo chances de não exceder um certo limiar de aumento de temperatura antes do final do século. Segundo o IPCC, este orçamento de carbono para 1,5°C e 66% de probabilidade é de 400 Gt (bilhões de toneladas) para o período 2011-2100. As emissões globais são de cerca de 40 Gt/ano, e estão crescendo. Em outras palavras, o orçamento de carbono de 1,5°C será todo consumido até 2021! Então, já estamos no limite. Este é o resultado concreto do frenesi capitalista pelo lucro e da sua recusa em planejar a transição a partir das reduções de emissões necessárias.

Isso, de fato, abre o debate sobre captura de carbono e geoengenharia. No âmbito do sistema produtivista capitalista, a captura de carbono e a geoengenharia são as únicas «soluções» possíveis para compensar o excedente do orçamento de carbono. Eu uso aspas, porque estas são soluções de aprendiz de feiticeiro. Uma das tecnologias mais maduras é a chamada “bioenergia com captura e sequestro de carbono” (BECCS). A ideia é substituir os combustíveis fósseis por biomassa em usinas de energia, capturar o CO2 resultante da combustão e armazená-lo em camadas geológicas. Como as plantas em crescimento absorvem CO2 da atmosfera, uma implantação maciça da BECCS deve permitir reduzir o efeito estufa e, consequentemente, melhorar o orçamento de carbono. É uma solução muito hipotética, entre outras razões porque ninguém sabe se será tecnicamente possível manter o CO2 no subsolo, e por quanto tempo. Ao mesmo tempo, é uma resposta extremamente difícil para o problema, porque a produção da biomassa necessária precisará de enormes superfícies de terra: cerca do equivalente a um quinto ou um quarto das terras utilizadas hoje pela agricultura. Por um lado, a conversão de terras de cultivo em plantações de biomassa seria prejudicial à produção de alimentos. Por outro lado, o estabelecimento de plantações de biomassa industrial em áreas não cultivadas implicaria uma destruição terrível da biodiversidade, um empobrecimento incrível da natureza. Daí é no mínimo altamente questionável que 95% dos cenários climáticos do IPCC incluam a implementação de tal tecnologia. Abro parênteses: isto traz a evidência que a ciência não é neutra e objetiva, especialmente quando tem que fazer projeções socioeconômicas.

É importante perceber que o fato de que o orçamento de carbono para 1,5°C certamente será excedido e que o orçamento de 2°C provavelmente será rapidamente ultrapassado também não significa que devemos aceitar as tecnologias capitalistas como um “mal menor”. Ao contrário. A situação é extremamente grave e o fato é que para reduzir e cancelar as emissões de carbono mesmo elas não serão suficientes. Para salvar o clima, o carbono deve ser removido da atmosfera. Mas esse objetivo pode ser melhor alcançado sem o uso do BECCS ou outras tecnologias perigosas. A razão pela qual o capitalismo opta por tecnologias como o BECCS é que eles se adequam à corrida para o lucro. A alternativa é desenvolver e generalizar uma agricultura orgânica camponesa e uma cuidadosa gestão de florestas e terras, respeitando os povos indígenas. Desta forma, será possível remover grandes quantidades de carbono da atmosfera e armazená-lo no solo, promovendo a biodiversidade e fornecendo boa comida para todos. Mas esta opção significa uma batalha anticapitalista feroz contra o agronegócio e os proprietários de terras. Em outras palavras: a solução não se encontra no campo da tecnologia, mas no campo da política.


AC: Recentemente, a Oxfam apresentou um estudo mostrando que apenas 8 homens controlam a mesma riqueza que a metade da humanidade. Nós também quebrou o registro de temperatura global (novamente) e nossa atmosfera superou 400 ppm de concentração de CO2. As alterações climáticas e as desigualdades estão ligadas?

DT: Claro que sim. Sabe-se que os pobres são as principais vítimas das catástrofes em geral e das catástrofes climáticas em particular. Obviamente, isso também é verdade para as catástrofes climáticas devidas ou provavelmente ligadas à atividade humana (melhor dito, à atividade capitalista). Já é o caso, como vimos nitidamente em todas as regiões do mundo: nas Filipinas em 2014 com o tufão Haiyan, nos Estados Unidos em 2005 com o furacão Katrina, no Paquistão em 2010 com as grandes inundações, na Europa em 2003, com a onda de calor, no Benin e outros países africanos com as secas e o aumento do nível do mar, e assim por diante.

Além disso, a resposta capitalista às mudanças climáticas funciona como um acelerador dessa desigualdade social. A razão é que esta política se baseia em mecanismos de mercado, em particular a mercantilização / apropriação de bens naturais. Baseia-se essencialmente na «internalização das externalidades», o que significa que o preço do dano ambiental deve ser avaliado e incluído nos preços dos bens e serviços. É claro que esse preço é então repassado aos consumidores finais. Aqueles que têm dinheiro podem investir em tecnologias limpas - carros elétricos, por exemplo - os outros não podem, para que paguem mais pelo mesmo serviço (neste caso, pela mobilidade).

No aprofundamento das desigualdades, o setor dos seguros desempenha um papel específico: recusa-se a garantir riscos crescentes nas zonas em que os pobres vivem ou a eleva o prêmio que as pessoas têm de pagar às empresas. Outro setor que desempenha um papel importante é o setor financeiro, porque investe no mercado de carbono, que é altamente especulativo. Entre outros, investe nas florestas porque a função destas como sumidouros de carbono é agora mercantilizada. Como resultado, os povos indígenas são banidos de seus meios de subsistência, em nome da “proteção” da natureza que eles têm moldado e protegido por séculos. Um processo similar de expropriação e proletarização está em curso no setor agrícola, por exemplo, com a produção de biocombustível e biodiesel. Aqui também, a proteção da natureza é usada como um pretexto para uma política que aprofunda desigualdades e reforça as corporações.

É de temer que esses mecanismos de mercado de mercantilização e apropriação de recursos se tornem cada vez mais importantes no futuro, gerando cada vez mais desigualdades sociais. É óbvio à luz do que foi dito antes, sobre a implementação da geoengenharia e da BECCS em particular. Mas vai ainda mais longe do que isso. O último relatório da Comissão Global, que é um grupo de reflexão muito influente presidido por Sir Nicholas Stern, dedica-se ao papel das infraestruturas na transição para a chamada economia verde. O documento define a natureza em geral como «infraestrutura», explica a necessidade de tornar o investimento nas infraestruturas atrativas para o capital e conclui que uma condição-chave para esta atratividade é a generalização e estabilização das regras de propriedade. Ou seja, potencialmente o capital quer incorporar a natureza em geral, como ele incorporou a força de trabalho (embora, a força de trabalho também possa ser considerada ela mesma um recurso natural).


AC: Você poderia falar um pouco sobre a conexão entre crise ecológica e imigração e como você pensa as tendências para o futuro?

DT: Esta é uma das consequências mais terríveis das mudanças climáticas. Como dito antes, acima de um certo limiar, não há possível adaptação às mudanças climáticas para uma humanidade de 8-9 bilhões de pessoas. Os mais ameaçados são aqueles que serão forçados a deixar o lugar onde vivem. Este processo já está em curso em várias regiões, por exemplo, na África Ocidental, onde se combina com os efeitos da guerra, da ditadura, do terrorismo e da ocupação de terras pelas multinacionais. O que fazem as pessoas que fogem? Concentram-se na periferia das cidades. Sua estrutura social é amplamente afetada - as relações de gênero em particular, com uma perda de poder econômico para as mulheres. Alguns deles, principalmente homens, tentam migrar para países ricos. Se eles sobrevivem à viagem, tentam enviar dinheiro para a família. É um enorme desastre.


AC: Como você avalia a ascensão de Trump neste contexto?

DT: O quadro que eu descrevi para o orçamento de carbono de 1,5°C significa que Trump chega ao poder em um momento em que estamos à beira de uma mudança climática descontrolada. Durante sua campanha, Trump disse que a mudança climática é uma “farsa criada pelos chineses” para tornar a indústria dos EUA não competitiva, e prometeu abandonar o acordo de Paris. Sua equipe está cheia de negadores do clima e a pessoa que ele escolheu para liderar a EPA (Agência de Proteção Ambiental) quer destruí-la a partir de dentro, depois de ter tentado por décadas destruí-la de fora, como procurador-geral de Oklahoma.

Tudo isso é extremamente preocupante. Nós não apoiamos o acordo de Paris, nem apoiamos a «contribuição nacionalmente determinada» de Obama (NDC) a este acordo: ambos são muito insuficientes do ponto de vista ecológico e profundamente injustos do ponto de vista social. Sabemos, em particular, que existe uma enorme lacuna entre o objetivo do acordo de Paris (1,5-2°C), por um lado, e o impacto cumulativo das NDCs (2,7-3,7°C), por outro. Em termos de emissões, essa diferença será de cerca de 5,8 Gt em 2025. Para avaliar o impacto de uma decisão dos EUA de encerrar o acordo, deve-se saber que o NDC dos EUA equivale a uma redução de emissões de 2Gt em 2025 (em comparação a 2005) e que estes 2Gt representam cerca de 20% do esforço global incluído nas NDCs dos 191 signatários do acordo. Como resultado, o programa da Trump, se colocado em prática, significa que os EUA acrescentariam 2Gt de carbono à diferença de 5,8 Gt entre o que os governos do mundo prometeram fazer e o que deveria ser feito para não exceder um aumento de temperatura de 1,5°C. Em outras palavras: com os EUA, será muito, muito difícil não ultrapassar os 2°C, como já disse antes; mas sem eles, é provavelmente impossível.

Penso que a maioria das classes dominantes no mundo inteiro está agora convencida de que a mudança climática é uma realidade, uma enorme ameaça para a sua dominação, e que esta realidade ameaçadora é «de origem antrópica». Isso não muda com a eleição de Trump, como mostram as reações da China, da Índia, da União Europeia, etc. Até a Arábia Saudita confirmou o seu compromisso com o acordo de Paris e a sua NDC. Mas o efeito da deserção dos EUA, se confirmado, será que os outros países estarão ainda menos dispostos a intensificar seus esforços para preencher a lacuna. Desse ponto de vista, a posição muito conservadora da UE diz muito. Por todo o mundo, devemos exigir dos governos que reforcem os esforços climáticos: para preencher a lacuna entre Paris e a NDC, por um lado, e para compensar a deserção dos Estados Unidos, por outro. Isso não é possível no quadro da atual política capitalista: pede reformas que rompem com a lógica do mercado, como o passe livre no transporte público, o apoio aos camponeses contra o agronegócio e aos povos indígenas contra a mineração e empresas madeireiras etc.

Além disso, o problema deve ser visto num contexto muito mais amplo. Não é apenas o problema da política climática de Trump, mas de sua política em geral. O projeto de Trump é contra o declínio da hegemonia dos EUA no mundo. Este é também o que Obama pretendia, mas o método de Trump é diferente. Obama queria alcançar esse objetivo no âmbito da governança neoliberal global. Trump quer alcançá-lo através de uma política nacionalista, racista, sexista, islamofóbica, antissemita, brutal. Ele está focado principalmente na China capitalista, o poder crescente que pode desafiar os EUA no futuro. Seu projeto implica um grave perigo de uma terceira guerra mundial. Há analogias com o declínio do império britânico e a ascensão da Alemanha antes da Primeira Guerra Mundial, e com a ascensão de Hitler num contexto de uma crise econômica, social e política muito profunda antes da Segunda Guerra Mundial (eu não digo que Trump é um fascista , essa não é a questão). No entanto, nessa situação, pela força das circunstâncias, a urgência da crise climática poderia ser relegada como uma questão secundária, mesmo se as pessoas inteligentes nas classes dominantes estiverem conscientes de que não é.

Mas para cada nuvem há um raio de sol. O lado positivo da situação é que a polarização nos EUA beneficia não apenas para a direita, mas também a esquerda. A marcha das mulheres, as mobilizações em massa contra o “muslim ban” (proibição muçulmana) e a marcha pelo clima marcada para 29 de abril, entre outros, mostram que é possível derrotar Trump. O desafio é enorme, não só para as pessoas nos EUA, mas para todos nós, em todo o mundo. Na situação atual, derrotar Trump é a melhor maneira de lutar em favor do clima. Em todos os países, devemos tentar nos unir à mobilização social nos Estados Unidos. O movimento das mulheres nos EUA acaba de lançar um apelo internacional para se juntar à sua luta em 8 de março. Esse é o exemplo a seguir. No mesmo espírito, devemos tentar em todos os lugares organizar manifestações para o clima em 29 de abril (ou 22, data de uma Marcha para a Ciência nos EUA). Não se trata de apoiar o acordo de Paris, é claro, mas apresentar bandeiras ecossocialistas radicais.


AC: Enquanto vivemos em um mundo tão profundamente modificado pelas atividades humanas, muitos cientistas concordam que entramos numa nova época geológica: o Antropoceno. Que implicações você acha que isso pode ter no programa e na estratégia revolucionária da esquerda?

DT: É um debate muito interessante. Os cientistas consideram que o Antropoceno começou após a Segunda Guerra Mundial. A razão é que só a partir desse momento o impacto da atividade humana resulta em mudanças geológicas, como aumento do nível do mar, resíduos nucleares, acumulação de moléculas químicas que não existiam antes, etc. Do ponto de vista geológico, isso é incontestável: a data baseia-se em fatos objetivos. Mas há dois debates sociais e políticos subjacentes: sobre os mecanismos que estão na base dessa mudança objetiva e sobre as implicações em termos de programa e estratégia. Ambos os debates estão ligados.

O debate sobre os mecanismos é um debate sobre as razões pelas quais a humanidade destrói o meio ambiente. Naturalmente, o capitalismo é o grande responsável por essa destruição: sua lógica de crescimento, de produção de valor abstrato e de maximização do lucro é incompatível com a sustentabilidade ecológica. O caráter exponencial das curvas mostrando a evolução dos diferentes aspectos da crise ecológica em função do tempo é um claro exemplo disso: todas essas curvas (emissões de gases de efeito estufa, esgotamento da camada de ozônio, poluição química, emissões de aerossóis da atmosfera, extinção de espécies, etc.) mostram um ponto de inflexão após a Segunda Guerra Mundial. A ligação com a longa onda de expansão capitalista é absolutamente óbvia. Negar a grande responsabilidade do capitalismo, fingir que o Antropoceno é um resultado, não do capitalismo, mas do Homo sapiens, e até mesmo do gênero Homo, é ridículo.

Mas esta não é toda a história. A destruição ambiental existia antes do capitalismo e existia em grande escala também nas sociedades não-capitalistas do século XX. Existe uma certa semelhança com a opressão das mulheres: ela existia antes do capitalismo e continuava no chamado «socialismo real». A conclusão da análise é a mesma em ambos os casos: abolir o capitalismo é uma condição necessária para a emancipação das mulheres e para uma relação não-predatória da humanidade com o resto da natureza, mas não suficiente. No campo da libertação feminina, a implicação dessa análise é dupla: as mulheres precisam de um movimento autônomo e os revolucionários devem construir uma tendência socialista dentro desse movimento. Mas aqui chegamos nitidamente ao limite da comparação, porque nenhum movimento autônomo da natureza pode intervir no debate social, é claro.

Que conclusão devemos tirar disso? Que alguns seres humanos têm de intervir em nome da natureza no debate social. Isso é o que os ecossocialistas querem fazer. Assim, o ecossocialismo é muito mais do que uma estratégia para ligar as demandas sociais e ambientais: é um projeto de civilização, visando o desenvolvimento de uma nova consciência ecológica, uma nova cultura da relação com a natureza, uma nova cosmogonia. Ninguém pode determinar o conteúdo desta nova consciência com antecedência, é claro, mas acho que deve ser conduzido pelo respeito, cuidado e cautela. Sabemos que a humanidade tem um enorme poder de dominação. É um produto da nossa inteligência. Mas o substantivo «dominação» pode ser entendido em dois sentidos: como um ato de brutalidade e apropriação, por um lado, como a capacidade de entender, de dominar questões difíceis, por outro lado. Devemos, com urgência, deixar de dominar a natureza no primeiro sentido e tentar «dominar» no segundo sentido - como um bom aluno domina sua matéria. Causamos muita destruição, mas não há razão para que nossa inteligência não possa ser usada para cuidar da natureza e reconstruir o que destruímos, se possível.

O que precisamos, enfim, não é apenas uma revolução social, mas também uma revolução cultural. Há que se incluir imediatamente por mudanças comportamentais muito concretas, embora não seja uma questão pura de comportamento individual, já que tais mudanças devem ser promovidas socialmente e também progredirão através de lutas concretas. As sociedades indígenas são uma fonte de inspiração. Penso que os pequenos camponeses desempenharão um papel decisivo neste processo, por razões evidentes. E as mulheres, também, não porque fossem mais sensíveis «por natureza», mas como resultado de sua opressão específica.


CADTM

COMITE PARA A ABOLIÇAO DAS DIVIDAS ILEGITIMAS

35 rue Fabry
4000 - Liège- Belgique

00324 226 62 85
info@cadtm.org

cadtm.org