Eric Toussaint: “Esta crise mundial vai durar uma ou duas décadas”

7 de Setembro de 2011 por Eric Toussaint , Pablo Waisberg


Os diretores dos bancos centrais disseram que a crise estava sob controle, mas mentiam; esta crise vai durar uma ou duas décadas”, sustentou Eric Toussaint, politicólogo e presidente do Comitê para a Anulação da Dívida do Terceiro Mundo. A predição poderia parecer temerária, mas há um ano foi ele quem garantiu para este jornal que se vivia uma “situação explosiva” no Velho Continente e que a profundidade das mudanças econômicas estaria alinhada com a magnitude dessas explosões.

Ainda que os “indignados” tenham surgido na Espanha e na Grécia, as férias de verão atuaram como uma válvula de escape, razão pela qual “a mobilização social na Europa não alcançou o nivel de dezembro de 2001 na Argentina”, analisou Toussaint desde Genebra.

Qual é o nível de gravidade desta crise?

É altíssimo. É claro que os comentaristas, os governantes e os meios de comunicação dominantes e os diretores dos bancos centrais, que afirmaram que a situação estava sob controle, mentiam de maneira evidente. Estamos um pouco na situação dos anos 30: o craque foi em outubro de 29, mas as bancarrotas bancárias se desataram em 33, e entre 29 e 33 os dirigentes norteamericanos disseram que tudo estava sob controle. Estamos numa crise que vai durar uma ou duas décadas.

Quais são as causas?

As medidas econômicas adotadas pelos governos da Europa e dos Estados Unidos nos últimos quatro anos. A crise começou em junho/julho de 2007 e teve um pico em 2008, com o Lehman Brothers, mas o golpe forte chegou à Europa em outubro de 2008. Logo os elos mais fracos da zona euro Zona euro Zona composta por 18 países que utilizam o euro como moeda: Alemanha, Áustria, Bélgica, Chipre, Espanha, Estónia, Finlândia, França, Grécia, Irlanda, Itália, Letónia (a partir da 1-01-2014), Luxemburgo, Malta, Países Baixos, Portugal, Eslováquia e Eslovénia. Os 10 países membros da União Europeia que não participam na zona euro são: Bulgária, Croácia, Dinamarca, Hungria, Lituânia, Polónia, República Checa, Roménia, Reino Unido e Suécia. caíram, começando pela Grécia, em seguida a Irlanda e faz uns meses Portugal. Agora está para chegar à Itália e à Espanha e volta com força aos Estados Unidos.

É uma crise sistêmica?

É sistêmica, mas não terminal. Não há crise terminal do capitalismo per se. O capitalismo sempre atravessou crises, porque fazem parte de seu metabolismo, mas seu final será o resultado da ação consciente dos povos e dos governos. Vamos passar por períodos de recessão, depressão, em seguida algum crescimento e uma nova queda.

Por que insistem com as tradicionais receitas de ajuste que não deram resultado em 2008?

Porque a resistência a essas políticas é insuficiente.

Existe a possibilidade de saída desta crise com outro tipo de políticas?

Poderia ser uma saída tipo Roosevelt, com um maior controle do crédito e medidas de disciplina financeira, para obrigar os bancos a separar-se entre bancos de investimento e de depósito. Além de uma imposição mais forte sobre os setores de maiores rendas, com a consequente melhora das finanças públicas e a redução das desigualdades. Ainda que também poderia haver uma política mais radical, como nacionalizar o setor bancário e renacionalizar setores econômicos que foram privatizados na Europa e nos Estados Unidos nos últimos trinta anos. Isso, junto com a anulação das dívidas da Grécia, de Portugal, da Irlanda, da Itália e da Espanha.

Vê a possibilidade de alguma dessas duas saídas?

Tudo depende da mobilização social, que na Europa não alcançou o nivel de dezembro de 2001 da Argentina. Sem falar dos Estados Unidos, onde não há grandes mobilizações sociais, senão que mais bem um ativismo da extrema direita com o Tea Party. Ainda que me pareça difícil pensar que nos Estados Unidos a população aceite que se aprofunde o neoliberalismo; por isso há que se ver como foi a crise de 30, na qual as mobilizações chegaram por volta de 35 e 36.

[Eric Toussaint foi entrevistado por Pablo Waisberg do Diario Buenos Aires Económico, em 16/08/2011]



Eric Toussaint

docente na Universidade de Liège, é o porta-voz do CADTM Internacional.
É autor do livro Bancocratie, ADEN, Bruxelles, 2014,Procès d’un homme exemplaire, Editions Al Dante, Marseille, 2013; Un coup d’œil dans le rétroviseur. L’idéologie néolibérale des origines jusqu’à aujourd’hui, Le Cerisier, Mons, 2010. É coautor com Damien Millet do livro A Crise da Dívida, Auditar, Anular, Alternativa Política, Temas e Debates, Lisboa, 2013; La dette ou la vie, Aden/CADTM, Bruxelles, 2011.
Coordenou o trabalho da Comissão para a Verdade sobre a dívida pública, criada pela presidente do Parlamento grego. Esta comissão funcionou sob a alçada do Parlamento entre Abril e Outubro de 2015. Após a sua dissolução, anunciada a 12/11/2015 pelo novo presidente do Parlamento grego, a ex-Comissão prosseguiu o trabalho sob o estatuto legal de associação sem fins lucrativos.

CADTM

COMITE PARA A ABOLIÇAO DAS DIVIDAS ILEGITIMAS

35 rue Fabry
4000 - Liège- Belgique

00324 226 62 85
info@cadtm.org

cadtm.org