Eslovénia

Mais um passo em direcção ao lançamento duma auditoria cidadã da dívida

Conferências de Eric Toussaint em 16 e 17 setembro 2015

19 de Setembro de 2015 por Lucien Perpette

Em 16 setembro, quarta-feira, Eric Toussaint deu uma conferência perante 100 pessoas (na sua maioria jovens) em Liubliana, capital da Eslovénia. A conferência foi apoiada pelas duas principais confederações sindicais da Eslovénia. Os presidentes dos dois sindicatos, Dušan Semolič pelo ZSSS |1| e Branimir Štrukelj pelo SVIZ |2|, intervieram para sublinhar as nefastas consequências sociais dos pagamentos da dívida eslovena e a necessidade de dar resposta às suas imposições. A sessão foi presidida por Miha Andric, membro do Instituto de Estudos do Trabalho em Liubliana (Institut za Delavske Studije).

A senhora Maja Breznik, socióloga e especialista de história cultural, foi a alma da organização deste encontro. Maja Breznik traduziu para esloveno uma obra que Eric Toussaint escreveu com Damien Millet (AAA, Auditoria, Anulação, Alternativa, publicado pelas edições Sofia em 2014, http://www.zalozba-sophia.si/katalo... ). Maja Breznik publicou recentemente, com Rastko Mocnik, pelas edições CF, um livro colectivo intitulado A Dívida Pública Dívida pública Conjunto dos empréstimos contraídos pelo Estado, autarquias e empresas públicas e organizações de segurança social. : Quem Deve a Quem. O livro fala da dívida na Grécia, em Portugal, em Espanha, na Argentina, em França e na Eslovénia. Na introdução ela sublinha os aspectos nefastos do endividamento esloveno. Rumo idêntico é o seguido por Sacha Furlan, autor marxista do Instituto de Estudos do Trabalho, e por Franček Drenovec |3|, economista conferencista, autor de várias obras sobre a crise financeira. Sacha Furlan apresentou uma análise sucinta do desenvolvimento do sobreendividamento do sector privado durante o período 2004-2008 e do endividamento do sector público no período seguinte através da recapitalização Recapitalização Reconstituição ou aumento de capital duma sociedade para reforçar os fundos próprios, postos em cheque por perdas. No quadro do resgate dos bancos nos Estados europeus, o mais frequente, os Estados recapitalizaram os bancos sem impor condições e sem exercer o poder de decisão que lhes confere a participação no capital bancário. dos bancos privados.

Eric Toussaint teve ocasião de desenvolver os pontos de vista do CADTM sobre as relações de dominação Centro/Periferia na União Europeia, sobre a ofensiva generalizada à escala europeia pelo patronato das grandes empresas, os governos nacionais e as instituições europeias. Mostrou que a dívida foi utilizada como um dos pretextos principais para levar a cabo essa ofensiva. A seguir apresentou uma explicação sobre o endividamento na Grécia. Pôs em destaque a forma como o primeiro-ministro Alexis Tsipras se lançou a si mesmo na armadilha de não suspender o pagamento da dívida em fevereiro de 2015. Graças a isso, a Troika Troika A Troika é uma expressão de apodo popular que designa a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional. pôde manter as suas exigências. Por fim, apesar de 62 % dos eleitores as terem recusado no referendo de 5-julho-2015, as condições dos credores foram impostas, à revelia da maioria da população.

O debate que se seguiu revelou numerosas dúvidas e objecções à política que consiste em respeitar as exigências da dívida e as consequências que daí derivam. Esta atitude explica nomeadamente o pesado programa de privatizações do actual governo esloveno do primeiro-ministro Cerar, que na sua campanha eleitoral tinha prometido o fim da corrupção e uma maior transparência na gestão da coisa pública. Está-se longe disso e na situação actual ninguém sabe exactamente o que justifica o endividamento esloveno e suas consequências actuais.

Notou-se a presença na sala de deputados do partido socialista (Socialni demokrati): Jan Škoberne e Janko Veber (antigo ministro da Defesa), bem como a do jovem líder carismático da Esquerda Unida, Luka Mesec |4|. Também estava presente Uroš Prikl (Desus), que preside a comissão parlamentar para os assuntos sociais. O público era numeroso, jovem na sua maioria. Essa franja da população é particularmente afectada pela política neoliberal aplicada por sucessivos governos eslovenos após a independência da Eslovénia. A situação da juventude e a crise social que atravessa a Eslovénia tornam necessária uma visão clara e a compreensão dos pretextos da política austeritária em curso.

Foi apresentado o projecto de organizar em Liubliana, durante o ano de 2016, um atelier que irá examinar os problemas levantados pelo endividamento do país. Eric Toussaint declarou que o CADTM poderia participar nesse atelier, para o qual estão convidadas todas as pessoas de boa vontade.

No dia seguinte, quinta-feira 17 de setembro, Eric Toussaint foi convidado a ir a Maribor, segunda grande cidade do país, para intervir numa conferência internacional sobre relações Centro/Periferia na União Europeia. Participou no primeiro painel com Rastko Mochnik. A seguir deu 6 entrevistas à televisão eslovena e a diversos jornais.


Tradução: Rui Viana Pereira Revisão Maria da Liberdade

Notas

|1| O sindicato ZSSS é o que tem maior número de associados na Eslovénia. Conseguiu obrigar o Governo do conservador Jansa a renunciar à «taxa nula», extremamente favorável aos investidores privados, que teria agravado a carga fiscal sobre a maioria da população. Uma manifestação de 30 a 40 mil pessoas fez soar o dobre a finados desse projecto.

Dois anos mais tarde, outra manifestação agrupou, por iniciativa do ZSSS, o conjunto das organizações sindicais. O objectivo e o resultado foram pôr freio às tentativas de destruição do sistema de protecção social. A manifestação reuniu perto de 80 mil pessoas, o que é muito significativo do impacte do movimento sindical, num país de 2 milhões de habitantes.

|2| O SVIZ é o principal sindicato dos professores. Construído de base pelo seu actual presidente, Branimir Strukelj, este sindicato, graças ao seu dinamismo, conseguiu manter um nível salarial decente para os professores. Durante o inverno de 2012-2013 uma enorme greve de professores eslovenos refreou o ardor da regressão social do governo Jansa, que acabou por renunciar ao cargo de primeiro-ministro. Esta greve veio aliás no seguimento das manifestações ocorridas no inverno de 2012-2013 de protesto contra a política do primeiro-ministro Jansa. O SVIZ faz parte duma confederação mais alargada que agrupa sobretudo trabalhadores dos serviços públicos.

|3| Franček Drenovec escreveu o capítulo «A Génese da Dívida Pública» no livro A Dívida Pública : Quem Deve a Quem.

|4| Luka Mesec (https://sl.wikipedia.org/wiki/Luka_Mesec) é um dos 6 deputados da Esquerda Unida. A emergência de uma nova corrente à esquerda da esquerda pode ser interpretada como consequência política das manifestações do inverno de 2012-2013. Estas manifestações expressam a revolta da juventude, condenada ao desemprego e à precariedade. Assim se compreende que a Lista Unida tenha obtido tantos votos (e deputados) como o Partido Socialista. Ver: http://www.criticatac.ro/lefteast/historic-victory-united-left-slovenia-6-seats/ . Eric Toussaint e Luka Mesec já tiveram oportunidade de debater o tema da dívida aquando de um debate organizado em novembro-2014 em Saraievo, na Bósnia (ver Sarajevo : l’espoir et la rébellion sociale de l’année 2014 ).

CADTM

COMITE PARA A ABOLIÇAO DAS DIVIDAS ILEGITIMAS

35 rue Fabry
4000 - Liège- Belgique

00324 226 62 85
info@cadtm.org

cadtm.org