No Nepal, delegados e delegadas do CADTM participam da marcha de abertura do Fórum Social Mundial e já animaram com sucesso duas oficinas

19 de Fevereiro por CADTM International , Maxime Perriot


O Fórum Social Mundial, que está sendo realizado este ano em Katmandu (Nepal), começou na quinta-feira, 15 de fevereiro de 2024. A rede do CADTM Internacional é representada por delegadꙋs da Índia, Paquistão, Sri Lanka, Bangladesh, Quênia, Costa do Marfim e do Secretariado Partilhado Internacional. Duas atividades bem-sucedidas já foram realizadas pela delegação, que está organizando sete no total.



 Quinta-feira, 15 de fevereiro: A marcha de abertura

A marcha de abertura reuniu cerca de 15.000 pessoas que marcharam para exigir um mundo diferente. As palavras de ordem exigiam justiça ecológica, justiça climática e justiça social. Elas pediram a abolição do Banco Mundial e do FMI e o cancelamento de dívidas ilegítimas, entre muitas outras demandas. A marcha reuniu muitos nepaleses. Os setores mais explorados das classes trabalhadoras estavam fortemente presentes e expressaram suas reivindicações com muita veemência.

JPEG

 Sexta-feira, 16 de fevereiro: grande sucesso das duas primeiras oficinas do CADTM no Fórum Social Mundial

Nova crise internacional da dívida: A primeira conferência organizada pelo CADTM contou com a participação de quase 100 pessoas. Seu foco foi a nova crise da dívida internacional. Concluída por Éric Toussaint com o slogan «Há vida sem o FMI», a conferência contou com a participação de delegados do CADTM de países duramente atingidos por essa nova crise

JPEG

Aman Rahman (Bangladesh), vice-presidente do Democratic Budget Movement (DBM) abriu a conferência, insistindo nas condições impostas pelo FMI e pelo Banco Mundial à população do Bangladesh, que conta com 170 milhões de habitantes.

JPEG

Amali Wedagedera (Sri Lanka) explicou a situação paradigmática do Sri Lanka, sufocado pelo FMI desde sua inadimplência na primavera de 2022, seguida por um movimento social excepcional que levou à fuga do presidente Gotabaya Rajapaksa, antes que ele conseguisse fazer com que seu país assinasse um acordo prejudicial com o FMI.

O Paquistão também faz parte dos países duramente atingidos pelos programas do FMI, e foi representado entre os palestrantes por Abdul Khaliq, diretor do CADTM Paquistão. Após as enchentes no verão de 2022, o Paquistão, que tem uma população de 230 milhões de habitantes, assinou novos acordos com o FMI no valor de 3 bilhões de dólares. Como no caso do Sri Lanka e de Bangladesh, esses acordos rimam com cortes nos orçamentos sociais, redução dos subsídios para necessidades básicas, privatizações...

JPEG

Em seguida, David Otieno (Quênia) falou sobre a situação de seu país, que já foi considerado um exemplo pelas instituições financeiras internacionais no passado. Esse país de 53 milhões de habitantes, que foi totalmente integrado à globalização neoliberal, encontra-se mergulhado em uma grave crise de dívida. David Otieno, membro da rede CADTM International e da Via Campesina, concentrou-se especialmente nas monoculturas de exportação, que são um desastre para os agricultores e para a soberania alimentar do país.

JPEG

Solange Koné também falou sobre a situação na Costa do Marfim (27 milhões de habitantes), enfatizando a necessidade de continuar e expandir a luta para abolir dívidas ilegítimas e a necessidade urgente e imperativa de reparações.
JPEG

Microcrédito abusivo e exploração dos pobres: Essa oficina, que reuniu cerca de 50 pessoas, tratou do microcrédito abusivo. Amali Wedagedara, que trabalha diariamente com mulheres vítimas de microcrédito, explicou os mecanismos por trás do microcrédito abusivo. Algumas mulheres, sufocadas por taxas de juros abusivas que são impossíveis de pagar, são levadas ao suicídio. As taxas de juros subiram para 220 % no Sri Lanka em 2018. Em uma população de 22 milhões de habitantes, 2,4 milhões de mulheres caíram na armadilha do microcrédito, algumas das quais não pagaram suas dívidas. Nessa ocasião, o governo do Sri Lanka veio em socorro das empresas de microcrédito. Portanto, foi o dinheiro público que financiou as inadimplências causadas pelos abutres das microfinanças.

JPEG

Sushovan Dhar descreveu então a situação na Índia, o país mais populoso do planeta, com mais de 1,4 milhões de habitantes. Na Índia, o setor de microcrédito não é regulamentado de forma alguma. Ele solicitou o estabelecimento de um sistema de seguridade social e de um setor bancário público que conceda empréstimos a taxas de juros baixas, ressaltando que o superendividamento é simplesmente um reflexo da retirada do Estado e da vulnerabilidade da população.

JPEG

Uma participante insistiu no fato de que, atualmente, são os homens que decidem se endividar por meio do microcrédito, mas são as mulheres que pagam o dinheiro emprestado. Outra participante, oriunda do Tamil Nadu, na Índia, insistiu no fato de que as mulheres gastam seu tempo lidando com problemas de pagamento de dívidas e não estão mais se politizando.

JPEG

Nos dois dias que se seguiram, o CADTM organizou mais cinco atividades públicas em Katmandu, sobre as quais falaremos em breve.

Clic


Outros artigos em português de CADTM International (42)

0 | 10 | 20 | 30 | 40

Maxime Perriot

CADTM Belgique

Outros artigos em português de Maxime Perriot (4)

CADTM

COMITE PARA A ABOLIÇAO DAS DIVIDAS ILEGITIMAS

8 rue Jonfosse
4000 - Liège- Belgique

00324 60 97 96 80
info@cadtm.org

cadtm.org