Declaração

Razões para o CADTM não concordar com a troca de «dívida por ação climática»

13 de Dezembro de 2022 por CADTM


É essencial realizar um debate responsável e desmistificar esta proposta, que não é nova e foi até muito popular nos anos 90, quando os membros do Clube de Paris utilizaram as trocas de dívida para promover os interesses de suas empresas privadas. De facto, as trocas de dívida são normalmente utilizadas pelos credores para convencer o governo do país devedor a contratar ou comprar produtos de empresas do país credor que são investidos em projetos ambientais. Isto perpetua a relação de dependência e aprofunda o modelo de capitalismo verde. Além disso, gera novas dívidas.



Esta iniciativa, que promove trocas de «dívida por ação climática», é atualmente apoiada por instituições financeiras internacionais (FMI, BM, BID, etc.), fundos de investimento e governos credores que negociam com devedores para cancelar ou reduzir sua dívida em troca de compromissos vinculativos para proteger a biodiversidade e reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE).

Várias perguntas se levantam: Quem define quais bens são conservados e quais não são, e como a promessa ambiental é verificada? O que significa colocar um preço em um serviço ecossistêmico? Se alguém «paga mais» pelo serviço, essa proteção pode desaparecer?

Nossa posição: pugnar pela abolição de todas as dívidas públicas ilegítimas, tanto no Norte como no Sul, e NÃO debater ou mobilizar para a «Conversação da dívida em ações climáticas».

Globalmente, a dívida renegociada por estes acordos foi estimada em 2,6 bilhões de dólares entre 1985 e 2015. Eles também foram criticados por sua falta de transparência [1].

É essencial ter em mente que a dívida pública (externa e interna) tem um impacto inevitável sobre o meio ambiente, uma vez que devem ser geradas divisas necessárias para o serviço da dívida. Isto envolve a intensificação do modelo extrativista de exportação, que aumenta os impactos socioambientais. Entre as atividades intensificadas para este fim estão a extração de combustíveis fósseis (convencionais e não convencionais), mega-minas, agroindústria, os novos projetos de extração de lítio e todas as infraestruturas que os servem, tais como a Iniciativa para a Integração da Infraestrutura Regional na América do Sul (IIRSA) [2]. Vinte e dois anos após o surgimento deste projeto, que se baseia em 10 eixos que atravessam toda a América do Sul e se estende do Atlântico ao Pacífico, é apropriado questionar os interesses que eles servem e considerar que as dívidas contraídas (com órgãos como o Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID) se destinam a conectar enclaves, portos e zonas francas, bem como implantar estradas para facilitar a expansão da área da mineração e do agronegócio, deixando um rasto de saques, florestas queimadas e terras queimadas, que aceleram a crise climática.

Ler também: Crise climática ecológica: os aprendizes de feiticeiro do Banco Mundial e do FMI

Portanto, as questões a serem consideradas são: como garantir o bem-estar socioambiental neste contexto? Qual é a capacidade dos países do Sul para enfrentar os desafios ambientais quando suas economias estão tão condicionadas pela necessidade de adquirir moeda estrangeira? É possível falar de soberania e autodeterminação dos povos sob estas condições?

Os países do Sul devem encontrar uma maneira de recuperar sua soberania, acabar com a dependência e desmascarar a falsa generosidade das instituições financeiras internacionais (IFI) e dos principais poluidores do mundo, que tentam nos convencer com «falsas soluções».

Nós, no CADTM, acreditamos que, na relação entre «dívida e mudança climática», é essencial estabelecer a origem da «crise climática», que está intimamente ligada ao atual modelo de desenvolvimento capitalista, onde a busca do lucro Lucro Resultado contabilístico líquido resultante da actividade duma sociedade. O lucro líquido representa o lucro após impostos. O lucro redistribuído é a parte do lucro que é distribuída pelos accionistas (dividendos). continua sendo o eixo em torno do qual o funcionamento da sociedade é analisado e organizado. Por outro lado, devemos ter em mente que a dívida é uma condição estrutural deste modelo de desenvolvimento, um modelo agro-exportador, extrativista e de inserção global como produtores de matérias primas e mão-de-obra barata.

Por esta razão, não concordamos com esta proposta, primeiramente porque se trata de mais uma negociação com os «emprestadores/especuladores», e iniciativas desta natureza sempre foram marketing barato, especialmente tendo em conta as fortes condicionalidades que acompanham as negociações.

Em segundo lugar, porque, de acordo com nossa Carta de Princípios:

A dívida é um mecanismo de transferência de riqueza e uma ferramenta de dominação política. Como o objetivo principal do CADTM é conseguir a abolição imediata e incondicional da dívida pública dos países do Sul e o abandono das políticas de ajuste estrutural, nosso objetivo claramente não é uma «troca», uma conversão. Tanto mais que, apesar de suas inúmeras riquezas naturais e humanas, os povos do Sul têm sido e continuam a ser explorados, com desigualdades extremas crescendo a cada dia. São necessárias políticas sociais e investimentos públicos, acompanhados de um verdadeiro plano para ajudar as pessoas.

Ler também: Anular a dívida dos países do Sul, uma solução para a crise climática

Pelas razões mencionadas acima, consideramos essencial suspender unilateralmente os pagamentos e realizar imediatamente uma auditoria cidadã, o que permitirá identificar dívidas públicas odiosas, ilegais e ilegítimas. A iniciativa de estabelecer uma «troca de dívida por clima» ignora nossa premissa fundamental. Ela ignora os argumentos legais que podem apoiar uma decisão unilateral de suspensão de pagamentos. Entre eles está a Doutrina da Dívida Odiosa Dívida odiosa Segundo a doutrina, para que uma dívida seja considerada odiosa, e portanto nula, tem de preencher as seguintes condições:

1. Foi contraída contra os interesses da Nação ou contra os interesses do povo ou contra os interesses do Estado.
2. Os credores não conseguem demonstrar que não podiam saber que a dívida foi contraída contra os interesses da Nação.

É preciso sublinhar que, segundo a doutrina da dívida odiosa, a natureza do regime ou do governo que contraiu a dívida não é particularmente importante, pois o que conta é a utilização dada à dívida. Se um governo democrático se endividar contra o interesse da população, a dívida pode ser qualificada odiosa, desde que preencha igualmente a segunda condição. Por consequência, e contrariamente a uma interpretação errada desta doutrina, a dívida odiosa não se aplica apenas aos regimes ditatoriais. (Ver Éric Toussaint, «A Dívida Odiosa Segundo Alexandre Sack e Segundo o CADTM»)

O pai da doutrina da dívida odiosa, Alexander Nahum Sack, diz claramente que as dívidas odiosas podem ser atribuídas a um governo regular. Sack considera que uma dívida contraída por um governo regular pode ser considerada incontestavelmente odiosa, desde que preencha os dois critérios acima apontados.

E acrescenta: «Se estes dois pontos forem confirmados, cabe aos credores o ónus de provar que os fundos envolvidos nos referidos empréstimos foram utilizados não para fins odiosos, prejudiciais à população do Estado, no seu todo ou em parte, mas sim para as necessidades gerais ou especiais desse Estado, e não apresentam carácter odioso».
Sack definiu um governo regular da seguinte forma:
«Deve ser considerado regular o poder supremo que existe efectivamente nos limites de um dado território. É indiferente ao problema em foco que esse poder seja monárquico (absoluto ou limitado) ou republicano; que proceda da “graça de Deus” ou da “vontade do povo”; que exprima a “vontade do povo” ou não, do povo inteiro ou apenas de uma parte deste; que tenha sido estabelecido legalmente ou não.»

Portanto não restam dúvidas sobre a posição de Sack, todos os governos regulares, sejam eles despóticos ou democráticos, em todas as suas variantes, são susceptíveis de contraírem dívidas odiosas.
de Alexander Sack, que em 1927 estabeleceu os argumentos para esta categorização.

A iniciativa para estabelecer uma «troca de dívida por clima» ignora a nossa premissa fundamental

A crise multidimensional do sistema capitalista está assumindo formas cada vez mais dramáticas: crise alimentar, crise sanitária, crise ecológica, crise econômica, ascensão do racismo, em suma, crise civilizacional. Esta situação é agravada pela aplicação prolongada das políticas neoliberais, conduzidas, em particular, sob o pretexto do pagamento da dívida. Para justificar a suspensão unilateral e soberana da dívida pública, podem ser utilizados argumentos como os seguintes: Estado de necessidade, mudança fundamental das circunstâncias ou de força maior.

Reiteramos que não apoiamos de forma alguma a proposta de um comércio de «ação climática», que leva a uma perda de soberania sobre nossos bens naturais. Uma verdadeira mercantilização da natureza baseada no capitalismo verde com os famosos créditos de carbono, soluções falsas como a geo-engenharia, que inclui um conjunto de propostas tecnológicas para intervir, em larga escala, nos ecossistemas terrestres ou marinhos ou na atmosfera.

As ações das corporações transnacionais, consumidoras intensivas de carbono, que elaboraram, em colaboração com os governos, diversas estratégias de «lavagem verde» para fingir que se preocupam com a mudança climática, enquanto protegem seus investimentos e evitam fazer as reduções de emissões necessárias, devem ser denunciadas. Uma das principais ferramentas retóricas utilizadas pela indústria é o conceito de «emissões líquidas zero» ou a reivindicação de «neutralidade climática». Este «zero líquido» assume que as emissões podem ser continuadas, ou mesmo aumentadas, se forem «equilibradas» pela remoção do carbono da atmosfera ou se puderem ser compensadas por créditos de carbono. Isto nada mais é do que um truque contábil para justificar a contínua extração de combustíveis fósseis, em vez de reduzir as emissões de gases de efeito de estufa. Nesta base enganosa, 2.000 das maiores empresas do mundo anunciaram compromissos de «emissões líquidas zero». São estas mesmas empresas que estão pressionando para que um novo mecanismo para os mercados de carbono e compensações seja estabelecido nas negociações do Artigo 6.4 do Acordo de Paris [3].

Nossa posição é a seguinte: conseguir a abolição de todas as dívidas públicas ilegítimas, tanto no Norte como no Sul, e NÃO debater ou mobilizar para a «Conversação da dívida em ação climática», moção apresentada pelos governos colombiano e argentino na recente COP27, apoiada por algumas organizações e movimentos sociais, e olhada com simpatia pelo FMI, que continua a aprofundar seus condicionalismos.

Recordamos que a linha de intervenção do CADTM Internacional se concentra nas seguintes ações:

a) O desenvolvimento de processos de educação popular, de sensibilização e de autoorganização dos povos endividados.
b) Aplicação de auditorias da dívida que integrem a participação de cidadãos/cidadãs e visem repudiar as dívidas odiosas e ilegítimas.
c) A tomada de decisões unilaterais e soberanas por parte dos governos, para travar o pagamento da dívida, a reestruturar ou a repudiar em favor da justiça social.
d) A rutura dos acordos com o FMI e o Banco Mundial.
e) A criação de uma frente unida de países pelo não-pagamento da dívida. E não uma fachada para fazer avançar a proposta de «Debt Swap x Climate» (conversão da dívida em favor do clima), tal como apresentada na última COP27 no Egito.
f) Rejeição de todos os tipos de condicionalidades impostas pelos credores.
h) Restituição aos cidadãos/cidadãs dos países do Sul dos bens desviados pelos dirigentes corruptos do Sul, com a cumplicidade das instituições bancárias e dos governos do Norte.
i) Pagamento, sem condições, pelas potências do Norte, de compensações econômicas pela dívida histórica, social e ecológica acumulada em relação aos povos do Sul.
j) Ação judicial contra as instituições financeiras internacionais (IFI).
k) Em caso de nacionalização dos bancos privados falidos, recuperação do custo da operação através dos bens dos principais acionistas e administradores.
l) Substituir o Banco Mundial, o FMI e a OMC por instituições democráticas que deem prioridade ao respeito pelos direitos humanos fundamentais no financiamento ao desenvolvimento, ao crédito e ao comércio internacional.
m) Abolir os tratados de livre-troca, de investimento ou de associação, políticos, militares, etc., que hipotequem a soberania dos povos e perpetuem os mecanismos de dependência.

Com relação aos crimes cometidos contra a humanidade, ao tráfico de escravos e ao saque colonial, exigimos reparações e a restituição de bens culturais e outros.

O CADTM afirma claramente que, para avançar em direção a um mundo socialmente justo e ecologicamente sustentável, é essencial sair do sistema capitalista e construir uma sociedade onde a satisfação das necessidades sociais e ambientais esteja no centro das escolhas políticas.

É necessário combater o sistema capitalista que, há dois séculos, desde a revolução industrial, vem esmagando pessoas e causando uma crise ecológica catastrófica em escala global.

Consideramos que a proposta promovida por vários governos, alguns movimentos sociais e com a aprovação das IFI é um mecanismo que agrava a dependência, aprofunda a desigualdade e aumenta a grave crise climática.


Tradução: Rui Viana Pereira

Outros artigos em português de CADTM (40)

0 | 10 | 20 | 30

CADTM

COMITE PARA A ABOLIÇAO DAS DIVIDAS ILEGITIMAS

8 rue Jonfosse
4000 - Liège- Belgique

00324 60 97 96 80
info@cadtm.org

cadtm.org